Buscar
  • Fernando Silva

Como abrir uma Loja Virtual de Roupas?


O e-commerce de moda vem crescendo rapidamente, mais ainda que outros setores: nos últimos anos, a taxa de crescimento médio anual das vendas de vestuários online tem sido em torno de 30% — o dobro em relação ao comércio eletrônico em geral.


Para os consumidores da indústria da moda, tanto as lojas físicas quanto as online são de extrema importância. Se, por um lado,

as vendas online aumentaram, por outro — ao contrário do que poderia parecer —, as transações offline e compras realizadas nas lojas físicas também tiveram um crescimento considerável.


Nesse segundo caso, o mundo digital continua a desempenhar um papel fundamental, pois, muitas vezes, as compras offline ocorrem como resultado de informações obtidas online.


Se você tem interesse pelo setor da moda e está pensando seriamente em investir nesse nicho de e-commerce, este guia é pra você. Vamos apresentar uma rápida análise do mercado eletrônico da moda, mostrar quais são os diferenciais que têm atraído tantos empreendedores para o segmento e dar um panorama de como investir nesse nicho crescente.



Análise do mercado de e-commerce de moda


O grande desafio para os players do mercado online de moda é chegar o mais próximo possível da experiência de compra que as lojas físicas proporcionam. Alguns problemas comuns dos e-commerces de moda são a insegurança em relação aos tamanhos de roupas e calçados,

e a impossibilidade de testar o produto antes de comprar. Esse quesito pesa muito mais no mercado da moda do que em qualquer outro nicho. É o que confirma a pesquisa da IMRG Fashion Returns Review.

Os problemas de vestibilidade têm impactos negativos por dois aspectos: o primeiro é, certamente, o econômico. Os custos de gestão de devolução, por exemplo, são importantes e representam uma despesa bastante pesada no orçamento de um e-commerce.

De acordo com a pesquisa da IMRG, geralmente, uma redução de 1% na taxa de devolução equivale a um aumento de 1% nos lucros. Se levarmos

esse percentual para grandes faturamentos, essa diferença pode representar milhões de reais.


Outro aspecto importante é a reputação: comprar um produto de tamanho incorreto, especialmente em períodos com disponibilidade limitada de itens, com certeza vai gerar uma experiência negativa para o usuário.


O mercado da moda está presenciando uma verdadeira explosão nas vendas online, contornando a barreira de não se poder provar os produtos. Apresentando um dos maiores tickets médios (cerca de R$ 300 por compra), o e-commerce de moda tem sido um chamariz para investimento, tanto por parte de gigantes do mercado quanto por empreendedores individuais.


O verdadeiro desafio é, portanto, fornecer ao usuário todas as informações de que precisa para se certificar de que a escolha do tamanho da roupa que está comprando não é um problema, mas sim uma operação simples e sem muitas incertezas.

Nos últimos anos, os e-commerces de moda têm evoluído bastante com diversas soluções para superar os obstáculos que o mercado impõe — principalmente as questões relacionadas à usabilidade e funcionalidade do site. E, à medida que as barreiras são superadas, cada vez mais empreendedores têm sido atraídos para esse lucrativo nicho do comércio eletrônico.


As peculiaridades do setor


Analisar o e-commerce concentrando-se no setor de moda exige enxergar por uma perspectiva diferente dos demais setores do comércio eletrônico, levando em consideração as peculiaridades do nicho de vestuário.

De fato, a moda pode ser de nida como um produto sensorial e emocional, no sentido de que fornece todas as informações necessárias ao consumidor somente após a experiência direta. Nesse sentido, vender um produto de moda online é um verdadeiro desa o para qualquer empresa, algo que vai além da mera implementação estratégica.

Então, ao nos indagarmos sobre os motivos para investir nesse setor de e-commerce, a verdadeira questão deve ser direcionada ao consumidor: o que leva as pessoas a comprar online, por meio de um comércio eletrônico, em vez de ir fisicamente

à loja para experimentar e adquirir o produto desejado? Podemos tentar responder a essa questão com alguns pontos:


Variedade e comodidade


O e-commerce tem a vantagem de permitir que o comprador adquira o item a qualquer momento, escolhendo entre uma quantidade incrível de produtos. Mesmo numa pausa para o café, caso esteja bastante decidido, o cliente pode fazer uma compra. Ele consegue ltrar por categoria, preço, marca, entre outras classi cações, e receber o pedido em casa ou onde desejar.

Além disso, na perspectiva do usuário, ter uma visão geral dos produtos pelos quais ele possa estar interessado é muito mais simples do que experimentar 3 ou 4 peças diferentes para fazer uma comparação!


Avaliações e comentários


Nos últimos anos, as avaliações e os comentários dos usuários aumentaram significativamente

o seu peso em todos os setores de serviços, especialmente os eletrônicos. Agora, também no setor de roupas a opinião dos usuários tem se tornado um discriminador fundamental para que novos consumidores avaliem uma possível compra.

Sites de reclamações (como o Reclame Aqui)

e as redes sociais são os principais meios de consulta por parte dos consumidores para avaliar a confiabilidade e a qualidade de determinada loja ou produto, o que se torna um fator decisivo no processo de compra.


Promoções


Ao contrário do que normalmente acontece nas lojas físicas, o e-commerce pode oferecer promoções e descontos em qualquer época do ano, não apenas nos saldões clássicos, como as famosas queimas de estoque.

Outro fator que colabora para a realização desse tipo de ação são os custos, geralmente menores em lojas virtuais do que nos estabelecimentos físicos. O comércio online não tem os mesmos gastos com estoque, funcionários, aluguel de imóvel, despesas xas e variáveis típicas de um negócio físico, geolocalização, entre outros determinantes.

O posicionamento do negócio de acordo com o nicho e o consumidor

A importância dos e-commerces no mercado moderno é indiscutível. Mas são muitos os fatores que devem ser considerados e avaliados atentamente quando se planeja ingressar

no setor de moda e vestuário — incluindo desde a escolha da plataforma adequada até a experiência do usuário (User Experience), passando pelo web design, marketing de conteúdo e outros elementos essenciais.

Para obter resultados melhores, que atento a essas questões:


Público-alvo


Você sabe de onde virá o seu tráfego? Um

dos maiores erros cometidos por novos empreendedores é a incapacidade de identificar seu público-alvo. Uma vez identificado, seu mercado influenciará cada movimento que você fizer com sua loja online no futuro.

No setor de moda, de nir o público certo do

seu nicho é essencial para a sobrevivência e o crescimento da loja. Além disso, se você ainda não sabe em qual segmento investir, a definição de públicos pode ajudar a escolher uma área ainda pouco explorada.

Diferencial

Depois de identificar o seu público-alvo, pense: por que esse público compraria de você? O setor de moda e vestuário online é particularmente competitivo, e as gigantes controlam grandes extensões do espaço virtual. Isso não significa que não há espaço para mais lojas, mas sim que é preciso oferecer inovações e vantagens.


Nesse quesito, é muito importante demonstrar empatia. Ou seja, coloque-se no lugar do cliente e procure entender seus motivos, suas frustrações, seus problemas. Ele só vai comprar de você se sentir que essas dores podem ser solucionadas com o seu produto.


Expedição


Os clientes passaram a esperar frete grátis, principalmente em compras de maior ticket. As marcas que não oferecem opções gratuitas ou de baixo custo correm o risco de ter elevadas taxas de abandono de carrinho.

É importante também determinar claramente qual será a política de devolução da sua loja — lembrando que o consumidor tem o direito de devolver o produto comprado online em até 7 dias, cabendo à loja arcar com as despesas referentes a essa operação. Obviamente, você deve calcular os custos de envio e retorno, então inclua esse gasto em suas margens.

As lojas maiores costumam contratar um gestor de logística experiente para cuidar desse setor. Mas, se você ainda está começando e tem uma equipe limitada, vale a pena estudar e conhecer mais sobre gestão de estoque e logística.


Plataforma de e-commerce


Um dos momentos mais importantes de quem está investindo em um negócio de e-commerce é a escolha da plataforma mais adequada. Há muitas opções no mercado, algumas boas, outras nem tanto; algumas genéricas, outras voltadas para determinados mercados.

E, como estamos falando do nicho de moda e vestuário, a melhor opção é uma plataforma que seja focada na experiência de compra do usuário e que tenha funcionalidades para a conversão e para as demandas específicas desse setor.

Uma plataforma segmentada para o setor de moda deve comportar ao menos alguns diferenciais, como:

Gestão de look: aperfeiçoa a navegabilidade, apresentando os produtos agrupados por tipo de coleção, marcas ou combinações de looks;

Vitrine interativa: mais do que mostrar apenas uma imagem boa do produto, é preciso que o usuário consiga escolher cor, tamanho, modelo e outros atributos;

Grade de produtos: necessário para combinar diversas características dos produtos;

Personalização de produtos: permite que o cliente possa customizar a sua compra de acordo com seus gostos pessoais.


Mobile friendly


Certifique-se de que seu e-commerce seja responsivo, amigável e otimizado para dispositivos móveis.

Na atualidade, o uso de smartphones para realizar procedimentos e transações online já superou outros meios, como desktops. Não ter uma versão mobile do e-commerce pode significar perder uma grande fatia do mercado.


Descrições e imagens


Por não ser possível experimentar o produto, é essencial dar ao usuário uma visão completa de cada item. Trabalhar na guia de descrição do produto, cuidar dos detalhes e prestar muita atenção às imagens que você vai inserir será crucial para tornar cada página atrativa.

A inserção de vídeos curtos de apresentação de produtos pode representar um plus notável, que vai influenciar mais o usuário para a compra. A realidade aumentada, por exemplo, tem se mostrado uma tendência interessante para apresentar mercadorias.


SEO


Para adotar boas práticas de SEO (Search Engine Optimization, ou otimização para mecanismos de busca), comece escolhendo as categorias dos produtos com base nas palavras-chave mais procuradas pelos usuários nos motores de pesquisa online.

Fique atento: procure também otimizar os conteúdos de páginas individuais para ajudar na indexação e permitir que seu e-commerce seja bem posicionado nas páginas de busca do Google.

User Experience

Estruture uma experiência do usuário que seja correta e eficaz, subdividindo categorias de produtos e facilitando a navegação entre eles. Um usuário que não encontra com simplicidade e rapidez aquilo que busca provavelmente cará frustrado e pode decidir fazer sua compra em outro lugar.


Cross-selling e Up-selling


Mostre aos usuários (por meio de cross-selling e up-selling) produtos correlacionados aos que eles estão visualizando, de modelo semelhante ou pertencente à mesma marca, permitindo uma fácil comparação e levando-os a aumentar o carrinho de compras.

Além disso, sempre inclua a possibilidade de inserir avaliações ou comentários sobre os produtos disponíveis. Uma crítica positiva incentiva o usuário e pode ser um fator decisivo na decisão de outros consumidores online.


Políticas de compra


Deixe sempre visíveis as informações referentes às taxas de envio, condições de venda e modalidades de pagamento. Muitos usuários

não concluem a compra por causa de dúvidas ou incertezas durante a etapa de pagamento.


E-mail marketing


Faça uso de newsletters e campanhas de e-mail marketing para manter contato direto com seus usuários e melhorar o relacionamento com os clientes, oferecendo descontos e promoções especiais ou novos recursos.

O e-mail marketing é uma das ferramentas digitais mais antigas, mas sobrevive há tanto tempo justamente por ser muito funcional e e caz,

além de ter um custo muito baixo se comparado a outros recursos.


Conclusão


A internet, os dispositivos móveis e o mundo sempre conectado estão mudando a forma como as pessoas compram produtos no setor de moda e vestuário. E isso vai muito além do crescimento do e-commerce e do m-commerce, e da facilidade com que os consumidores agora podem comparar os preços online.

Não é à toa que o setor de moda e vestuário, por mais concorrido

que seja, tem se mostrado como uma das opções mais atrativas para empreendedores que desejam investir em e-commerce. Se trabalhado da maneira correta, esse nicho pode ser um dos mais lucrativos e interessantes no comércio eletrônico.

Trabalhar com e-commerce de moda exige do empreendedor

uma constante atualização, não apenas tecnológica, mas do próprio mercado, que sofre transformações quase diárias. Em outras palavras, esse é um dos segmentos mais dinâmicos que existem, exigindo total dedicação do comerciante.


Precisando de ajuda para criar/migrar sua loja virtual? Clique aqui e solicite um orçamento.

0 visualização

©2020 por Vrum Digital. Criado orgulhosamente por nossa Equipe.